Enlouqueci o Escritor

De fato…

…Eu enlouqueci o Escritor
ao ponto de receber um
pedido sofrido e implorado
para desaparecer de sua vida,
sumir, evaporar.
Eu enlouqueci o Escritor de
tanto amor. Ele, homem só,
sentiu pavor dos sentimentos
que agora o habitavam…
Como escrever assim tão cheio
de ti? Foi deste jeito que o
Escritor enlouqueceu.
Eu juro pra vocês que Eu não
fiz nada demais. Juro! Eu só
abria a janelinha de conversa
das redes sociais, pelo menos
três vezes ao dia, para dizer
a ele que o amava.

Era tanto amor
que tinha dentro de mim,
e ainda tem,
que eu transbordava em palavras
virtuais…
É. Alguns virão aqui me dizer que não é
amor é paixão and so fort. É amor, quem
sente sou Eu e se digo que é amor é
porque é AMOR!

Coitado do Escritor, ficou louco e
saiu por aí a caminhar sem rumo.
Bloqueou-me de todas as redes sociais
numa tentativa ineficaz de me impedir
de ler os seus textos. Quanta tolice!
Quem disse que eu preciso das tuas
palavras, se já li toda a tua alma?
Ainda é amor.

G.

Anúncios

Pare!

Pare de pensar que o mundo
conspira contra ti.
Pare de enxergar o outro como
teu perseguidor, inimigo,
“Stalker”, julgador.
Pare de fugir do afeto que te ofertam.
Pare de fingir que não sente,
porque teus olhos
não mentem
e tua voz,
doce deleite,
te denúncia sensível,
homem bonito,
cheio de luz.

Pare!

Pare de segurar essa vontade de amar
e caminhe em direção ao encontro com
a vida, confiante de que
a tua sabedoria interior
te permite dar e receber amor,
ajuda, proteção, generosidade,
bondade e compassividade
com todos os que cruzam
o teu caminho.
Não espere o tempo passar
para buscar os olhos do teu irmão
e os abraços de tua mãe
e, se possível,
estenda estas mesmas ações
aos teus semelhantes
que esperam pela tua compaixão,
pois são donos da mesma
imperfeição que habita a
tua condição demasiadamente
humana.

G.

Raízes da Dor

Eu queria arrancar
todas estas raízes
que plantaste
e
vingaram profundamente
dentro de mim
invadindo todos os espaços
ocupando meu coração,
sufocando os meus pulmões,
preenchendo a boca do meu
estômago de fúria,
metade amor, metade dor…

Ainda não sei te dizer
o que mais dói: arrancar-te
daqui ou deixar-te invadir
até alcançar as minhas artérias.

Ainda não sei de que forma tu
conseguiste sumir e ao mesmo
tempo ainda estar aqui crescendo,
crescendo, crescendo…
e eu morrendo
não me rendo
de tanto amor
que há em mim.

As raízes profundas
que sustentam a envergadura
são as mesmas que causam a
rachadura
no esteio
onde eu
coloco
os meus pés.

G.

Sem fim

Por que vieste me roubar num
dia de janeiro solitário em
que eu me encontrava em paz com
meus livros, incensos, xícara de
café, Evangelho e silêncio?

Desde este dia não pertenço mais
ao meu Eu, nem Eu sou, nem Eu
sei onde estou, não sei nem para
onde vou. Por que me assaltaste
assim tirando de mim aquilo que
sempre foi somente meu?

Nunca dei meu coração.
Nunca abri a minha emoção.
Nunca senti tanta comoção.
Nunca vivi uma alucinação.
Nunca fiz declaração de amor…

…antes de tu me roubares de mim.

Só compreendi o que é o amor
depois de ti.
Por favor,
devolva-me,
mas não estabeleça
um
fim.

G.

Catarina quase Platônica

[Um platonismo nada virtuoso].

Posso, Eu, idealizar a estupidez
amar o escapismo
encantar-me com a grosseria
sonhar com o desafio de amar
o imperfeito e sublimar a tua
amargura que tanto pede cura?

Posso, Eu, querer-te assim
endurecido
bruto, cru, nu
cheio de si – uma unicidade humana
que pede compreensão?

Posso, Eu, ser humano sensível
à flor da pele
querer-te arrogante
autoritário e melindroso
um Petruchio tropical
um caipira animal?

Posso!
Nenhuma filosofia, literatura
ou caricatura me cegam à tua
verdade.
Estaria, Eu, ser humano
delicado, a perder o tino
ao amar-te?

Sinto vontade de te domar
numa doma racional
amansar-te sem força pela
suavidade de minha voz numa
espécie de comunicação não
violenta equina.

Eu, Catarina quase  platônica,
não desistirei de te curar
fui domada pela vida para
um dia te encontrar e nada
neste mundo é capaz de frear
a minha insistente capacidade
de amar.

G.

O CULTO OCULTO

Acordei de madrugada, insone,
preocupada. Deixei fluir meus
sentimentos, estava muito
angustiada. Tuas revelações
mexeram comigo, deixara-me
impressionada com a capacidade
do ser humano em ter uma vida
camuflada. Não dormi de tanto
pensar, com pesar, no amor que
tive pela máscara que o homem
usava e usa, ainda, no seu rosto
sereno de Poeta.
Sempre fui discreta. Se te invadi,
foi porque deixaste. E tu, homem,
me revelaste os extremos de uma
relação. Fui, contigo, do Céu ao
Inferno em oração.
A minha insônia desgarrada, no
escuro, é por puro assombro do
futuro que um dia prospectei
para Nós.
Acordei de madrugada e o anjo
cintilante soprou nos meus
ouvidos: – Filha, amaste. Amas
ainda, apesar da realidade e é
nisto que consiste toda a tua
verdade.
Acalmei-me, então, em um instante,
e te envolvi, distante, numa luz
brilhante de perdão.
Permiti que as rimas infantis
suavizassem este meu coração
adulto, que um dia acreditou
num falso Culto, que peregrina pelo
mundo sem fé no amor.

G.

Ansiedade

Ela abre de cinco em cinco
minutos o aplicativo de conversas
do celular.
Abriu agora, fechou, abriu de novo
– não se passaram nem três minutos.
Quem sabe na rede social de amizade,
aquela onde as pessoas se
adicionam?
Ela vai. Abre a janelinha da
rede social, abre a janelinha
das mensagens e encontra um vazio.
Nada. Nadinha. Nem uma notificação.
Agora, só resta a ela o aplicativo
de fotos. Será que ele gostou da foto?
Será que ele chamou a moça para uma
conversa direta? Será que na conversa
direta ele convidou a moça para
tomar um café?
Será que depois do café vai rolar
um cinema?
Será que no outro dias eles vão no
parque e ele vai segurar a mão dela
assim, de repente, devagar?
Ela abre as mensagens diretas.
Não tem nada.
O coração
aperta.
A angústia toma conta.
Fica impaciente, tensa, sentimental,
chorona.
Toca o interfone.
Quem será que vem roubar o desespero
da moça?
Momentos assim são sagrados
e precisam ser vividos, chorados, doloridos,
remoídos como um moinho de vento.
A moça fala oi e
escuta: – desce, Meu bem,
vim te buscar,
vim te amar
ao vivo…

G.