Catarina quase Platônica

[Um platonismo nada virtuoso].

Posso, Eu, idealizar a estupidez
amar o escapismo
encantar-me com a grosseria
sonhar com o desafio de amar
o imperfeito e sublimar a tua
amargura que tanto pede cura?

Posso, Eu, querer-te assim
endurecido
bruto, cru, nu
cheio de si – uma unicidade humana
que pede compreensão?

Posso, Eu, ser humano sensível
à flor da pele
querer-te arrogante
autoritário e melindroso
um Petruchio tropical
um caipira animal?

Posso!
Nenhuma filosofia, literatura
ou caricatura me cegam à tua
verdade.
Estaria, Eu, ser humano
delicado, a perder o tino
ao amar-te?

Sinto vontade de te domar
numa doma racional
amansar-te sem força pela
suavidade de minha voz numa
espécie de comunicação não
violenta equina.

Eu, Catarina quase  platônica,
não desistirei de te curar
fui domada pela vida para
um dia te encontrar e nada
neste mundo é capaz de frear
a minha insistente capacidade
de amar.

G.

Anúncios

Deus nos Livre…

…da soberba acadêmica!

És tão inalcançável assim?
És, de certo, o Super Homem,
aquele do Nietzsche.
Tu sabes, né? Nietzsche é a
tua cara…
Nenhum ser humano neste mundo
é digno do teu amor?
Será que tu te sentes o único
Doutor, soberano, inquestionável
neste mundo cada vez menos estável,
onde a academia virula igual epidemia?
Fico aqui a pensar em que bolha tu vives
para te sentires assim tão sobre-humano.
O teu Título te faz companhia ou somente
te esvazia?
Não encontrarei respostas, mas continuo
a orar por ti, sem Doutorado, mas “cheinha”
de amor!

G.

O CULTO OCULTO

Acordei de madrugada, insone,
preocupada. Deixei fluir meus
sentimentos, estava muito
angustiada. Tuas revelações
mexeram comigo, deixara-me
impressionada com a capacidade
do ser humano em ter uma vida
camuflada. Não dormi de tanto
pensar, com pesar, no amor que
tive pela máscara que o homem
usava e usa, ainda, no seu rosto
sereno de Poeta.
Sempre fui discreta. Se te invadi,
foi porque deixaste. E tu, homem,
me revelaste os extremos de uma
relação. Fui, contigo, do Céu ao
Inferno em oração.
A minha insônia desgarrada, no
escuro, é por puro assombro do
futuro que um dia prospectei
para Nós.
Acordei de madrugada e o anjo
cintilante soprou nos meus
ouvidos: – Filha, amaste. Amas
ainda, apesar da realidade e é
nisto que consiste toda a tua
verdade.
Acalmei-me, então, em um instante,
e te envolvi, distante, numa luz
brilhante de perdão.
Permiti que as rimas infantis
suavizassem este meu coração
adulto, que um dia acreditou
num falso Culto, que peregrina pelo
mundo sem fé no amor.

G.

Que pena de nós

Você não precisa sentir
vergonha por ter errado.
Todos nós erramos e erraremos
muito ainda nesta vida.
Não fiquei ferida.
Não me senti atingida.
Eu, apenas, senti uma
pena de nós.
É… uma pena de nós,
porque estávamos aos poucos
construindo uma edificação,
que poderia um dia ter vista
para praia

um mar verde,
um céu azul,
um sol dourado
e o nosso amor.

G.

Espaços Exclusivos

Oi, tudo bem? Vamos conversar?
Eu só queria te contar sobre o
meu dia e saber como foi o teu,
mas a vida comum ainda não nos
permitiu essa proximidade.
Será que é tão importante descobrir
quem de nós errou mais?
Será que estamos na disputa certa?
Eu errei.
Tu erraste.
Estamos empatados.
Pensei num jogo de dados
ou pedra, papel e tesoura
ou, então, o jogo dos palitinhos.
A verdade é que eu não quero desempatar.
Eu só quero recomeçar e aprender a te amar.
Tu poderias, pelo menos, reconsiderar todo
este meu esforço para te alcançar.
Eu não iria atrás se tu, ser humano, não
fosse importante demais.
Teu espaço dentro de mim é tão exclusivo,
único, não cabe mais ninguém.
Poderá até aparecer outras opções, mas
nenhuma delas te substituirá.
Quando eu te disse que gostava de negócios
mais exclusivos, estava a falar disso, de
espaços que foram moldados sob medida
para um só ser humano.
Será que em ti haverá, algum dia,
um espaço assim para mim?
O teu continua aqui, seguro como
um tesouro.

G.

PARTO

Privar-me de buscar as
mensagens secretas do
teu rosto
definir o destino num sim
fugir de mim com o não…
Nada disso é o fim do sopro
da vida, embora haja partida.

Será que tu estás disposto
a renascer em meu ventre
depois que os tecidos brancos
tules,
rendas chantilly,
flores de laranjeira
e água benta
limparem o ouro
de nossas alianças?

G.

Desencaixa

Tenho uma fixação esquisita
por embalagens.
Compro a xícara por causa da
caixa, o biscoito pela lata,
o chocolate pela cesta, as
flores pelo vaso.
Coisas…
Com o amor é diferente.
Preciso abrir os cadeados do
baú que guarda os tesouros
para decidir se compro ou não.
Na verdade, amor nunca se compra
nem se tranca a sete chaves.
Amor se encontra,
se descobre,
fica nu.
Amor se entrega de
graça.

G.