Faltas…

Como é triste ler os clássicos, engolir eruditismos e depois vomitar somente o escatológico de um pequeno detalhe de uma grande obra ou de um grande Autor. Como é feio não ter humildade nesta vida para reconhecer que sempre é tempo de aprender e que ensinar também faz parte do processo. Como é comovente ver um ser humano dolorido coberto de defesas que mais expõem do que protegem. Como é hilariante ver quem não se conhece tentando conhecer o outro. Como é melindrosa a visão da arrogância universitária quase juvenil do ser humano tresloucado.  Um ser humano perdido em si, que não reconhece a sua própria condição humana, é certamente o objeto que merece o meu amor mais puro, o perdão mais bonito, o sorriso mais leve, o abraço mais carinhoso, o bom dia mais afetuoso, e as minhas melhores preces de luz.

– Nunca te passou pela cabeça que toda esta confusão em que te encontras é só falta de amor?

G.

Anúncios

Vem!

Eu não queria ter te magoado,
só queria que tu refletisse
sobre as tuas próprias palavras
e sentisse um pouquinho da dor e
tristeza que também senti ao lê-las.
Fiquei com o coração apertado,
não esperava ser atingida assim.
É tão difícil para ti entender
que o amor não é fogo doido?
O fogo doido faz parte,
mas não é o amor.
O amor nasce com a capacidade de
perdoar e abraçar defeitos e dores,
que precisam de curas,
em mim e em ti.
As palavras que tu me escreveste foram
duras, talvez, por isso, tu tenhas ficado
mal ao ler minhas angústias compartilhadas
publicamente.
Eu sei, não é legal se ver no espelho.
Eu não gosto. Tu não gostas.
Acontece que somos espelhos, meu bem.
Eu te leio, tu me lês, eu te olho, tu
me olhas e refletimos muito mais do que
gostaríamos.
Nesse jogo transparente, projetamos de
nossos inconscientes heranças ancestrais,
dores, traumas e nossas crianças feridas,
que aparecem, volta e meia, para nos visitar
e pedir colo.
Para que resistir?
Vem perdoar,
vem pedir perdão,
vem me amar.

G.